Pandemia faz empresários italianos relembrarem as ‘Janelas de Vinho’, tradição do século XVII

janela de vinho

Pandemia faz empresários italianos relembrarem as ‘Janelas de Vinho’, tradição do século XVII

Em meio à pandemia de Covid-19, empresários e lojistas têm usado e abusado da criatividade para continuar fornecendo seus produtos e serviços, sempre em conformidade com as medidas de distanciamento social.

Cada vez mais inspirados, esses empreendedores vêm se reinventando todos os dias e quando novas ideias não aparecem, eles recorrem às velhas, que podem ser tão impactantes e bem boladas quanto no passado.

Um bom exemplo disso é uma lendária tradição de venda de vinhos que remonta ao século XVII.

As buchettes del vinos, ou ‘Janelas de Vinho’ foram muito utilizadas por vinicultores da Itália para vender vinho em plena pandemia de peste bubônica, que assolou a população mundial há cerca de quatrocentos anos atrás.

Agora, essas adoráveis ​​vitrines estão sendo usadas novamente para servir vinhos, coquetéis e outras bebidas aos clientes, mantendo o distanciamento social.

Prova da popularidade dessa iniciativa é que há até uma sociedade chamada ‘The Wine Windows Association’ cujo propósito é proteger e promover tal legado.

“Hoje, em meio à quarentena, os donos das janelas de vinho de Via dell’Isola delle Stinche na sorveteria Vivoli em Florença reativaram as vitrines para vender vinho, café e até sorvete. Duas outras vitrines próximas, a da Osteria delle Brache na Piazza Peruzzi e a de Babae na Piazza Santo Spirito , nos fizeram voltar no tempo ao serem usadas para seu propósito original – a venda de vinho socialmente distante”, escreveu a The Wine Windows Association em seu site oficial.

As primeiras janelas foram introduzidas na sociedade nos anos 1600.

De acordo com o site da The Wine Windows Association, Francesco Rondinelli, um estudioso e acadêmico florentino, durante a terrível epidemia de peste bubônica que ocorria na Europa naquela época, relatou que os vinicultores estavam vendendo seus produtos através das vitrines de seus palácios florentinos, cientes de que deveriam ficar distantes das pessoas infectadas e, assim, evitar o contágio.

Eles passavam seus produtos através das janelinhas e não recebiam o pagamento diretamente em suas mãos. Em vez disso, eles passavam um palete de metal para o cliente, que colocava as moedas nele e, em seguida, o vendedor as desinfetava com vinagre antes de coletá-las.

A cultura das ‘Janelas de Vinho’ voltou em 2015, mas tomou forma mesmo este ano, com a pandemia do novo coronavírus.

“Uma vez que as janelas têm centenas de anos (a maioria delas data dos anos 1500 e 1600), queremos preservá-las sempre que possível. Muitas foram perdidos, cobertas ou destruídas. Também fazemos pesquisas para aprender mais sobre seus usos. Também as estamos catalogando. Antes da formação da Associação, ninguém sabia quantas havia em Florença ou em outras cidades da Toscana”, disse Mary Forrest, porta-voz da Wine Windows Association.

Hoje, há apenas 4 ou 5 janelas históricas em uso, de um total de 150 apenas no centro de Florença!

“Os donos de restaurante que reviveram seu uso devem ser parabenizados por usar sua imaginação e originalidade”, acrescentou Mary Forrest.

“As janelas de vinho são uma característica arquitetônica única da Toscana e vale a pena procurá-las na próxima vez que você estiver em Florença”, concluiu.

 

Agora que você já sabe, vem fazer parte deste mundo de saberes e sabores…🥰🍷

Além do Rio Rosé alcança ouro

Siga-nos em nosso Instagram

 

Fonte: https://www.memesdavida.com.br/pandemia-faz-empresarios-italianos-relembrarem-as-janelas-de-vinho-tradicao-do-seculo-xvii/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Nós usamos cookies para melhorar sua experiência em nosso portal, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao navegar pelo site, você concorda com tal monitoramento. Em caso de dúvidas, acesse nossa Política de Privacidade e Política de Cookies.